Juízes do concurso de fotógrafos de estilo de vida

Bill Frakes

Bill Frakes é fotógrafo e cineasta que trabalhou em mais de países da 138 para uma ampla variedade de clientes editoriais e publicitários. Seus clientes de publicidade incluem a Nike, a Coca-Cola, a Champion, a Isleworth, a Stryker, a IBM, a Nikon, a Kodak e a Reebok. Editorialmente, seu trabalho apareceu em praticamente todas as principais publicações de interesse geral no mundo. Bill ganhou o cobiçado prêmio Fotógrafo do Ano na prestigiosa competição Pictures of the Year. Ele era um membro da equipe do Miami Herald que ganhou o Prêmio Pulitzer por sua cobertura do furacão Andrew. Ele também foi homenageado pelo Prêmio de Jornalismo Robert F. Kennedy por reportar sobre os desfavorecidos e pelo Press Overseas Club por reportagens estrangeiras ilustres. Ele foi premiado com a Medalha de Ouro pela World Press Photo.

Seth Resnick

Seth Resnick é um dos fotógrafos corporativos, editoriais e de ações mais prolíficos da América do Norte. Seth é muito procurado por suas belas imagens gráficas tanto em luz natural quanto em luz criada. Resnick foi publicado nas revistas de maior prestígio do mundo. Seus créditos incluem mais de publicações 2,500 em todo o mundo e seus clientes constituem uma lista virtual da América corporativa.

Ele é co-fundador da D-65, uma organização que ensina oficinas de fluxo de trabalho digital. A Resnick está na vanguarda da inovação digital, trabalhando com Adobe, Canon, Xrite, Epson e outros para ajudá-los a formular produtos mais úteis para fotógrafos. Ele é membro do prestigiado programa Canon Explorer of Light, além de consultor Alpha / Beta e de recursos do Adobe Photoshop e Lightroom.

Ele viaja extensivamente apresentando os vários aspectos da fotografia e também é o ex-presidente fundador de fotógrafos editoriais, uma organização comercial dedicada à promoção de boas práticas comerciais para a fotografia editorial. Seth também é parceiro da PixelGenius no desenvolvimento de plug-ins e software do Photoshop e colunista regular de contribuições para uma variedade de publicações comerciais.

Mary Vignoles

Mary Vignoles é uma editora freelancer de imagens sediada em Oregon. Nos anos 16 como editora profissional de fotos premiada, ela ajudou inúmeros fotógrafos da equipe a elevar a qualidade de seu trabalho. Enquanto esteve no Los Angeles Times, coordenou grandes projetos e cobertura de fim de semana, e trabalhou em histórias nacionais e internacionais, além de importantes questões sociais e oportunas. Seu interesse pelo vídeo ajudou os fotógrafos a converter imagens estáticas em vídeos de histórias.

Preston Gannaway

Preston Gannaway (n. 1977) é um fotógrafo documentário e artista vencedor do Prêmio Pulitzer. Seu trabalho muitas vezes se concentra em histórias íntimas sobre famílias americanas e comunidades marginalizadas, abordando temas como identidade de gênero, classe e nossa relação com o mundo natural. A história que ela fez sobre a família St. Pierre, Remember Me, foi premiada com o 2008 Pulitzer Prize por fotografia de longa-metragem. Ela é professora regular e atuou como professora convidada em diversos workshops educacionais. Suas fotografias são realizadas em coleções públicas e privadas e foram amplamente exibidas. Seu primeiro livro, Entre o Diabo e o Mar Azul Profundo, sobre o caráter cambiante de um bairro litorâneo na Virgínia, foi lançado no 2014. Nascida e criada na Carolina do Norte, ela agora está baseada em Oakland, Califórnia.

Peter Power

Peter Power é um fotógrafo profissional premiado com sede em Toronto, com ênfase em retratos editoriais e corporativos e narração de histórias.

Com uma riqueza de experiências cuidadosamente cultivadas que se baseiam em três décadas de trabalho no Canadá e no exterior, Power é amplamente considerado um dos maiores contadores de histórias visuais do Canadá, com habilidades de fotografia e jornalismo aprimoradas por anos de atribuições fotografando de tudo, desde líderes empresariais até revolucionários. Seu trabalho corporativo e comercial tem crescido constantemente com fotografias de localização criativas, bem produzidas e consistentemente de alta qualidade, enquanto ele continua a fornecer aos clientes editoriais o mais alto padrão de imagens e vídeo.

O Globe and Mail, The Toronto Star, Canadian Press, Canadian Geographic, CBC, Fundação CAMH, Maclean's, Reuters, PostMedia, National Post, OurKids Media, Communitech, Clothesline Media, Appleby College e NOMA Event Design estão entre as listas do Power. de clientes. Ele também trabalha como instrutor de fotografia em duas faculdades comunitárias em Ontário e compartilha sua experiência e conhecimento através de workshops instrucionais e palestras.

Power foi eleita a Fotógrafa do Ano cinco vezes, ganhou quatro prêmios National Newspaper do Canadá (nomeados nove vezes) e ganhou o prestigioso Prêmio Michener do Governador Geral de Jornalismo de Serviço Público. Seu trabalho foi reconhecido muitas vezes pela Associação Nacional de Fotógrafos de Imprensa (NPPA), Associação de Fotógrafos de Notícias do Canadá (NPAC), Imagens do Ano Internacional (POYi), Sociedade de Design de Jornais (SND), entre outros. Seu trabalho em multimídia foi reconhecido internacionalmente como um homenageado do Webby Award três vezes, um finalista do Webby Award uma vez, um vencedor do POYi e um vencedor do NPAC POY.

Jeanie Adams-Smith

Jeanie Adams-Smith deixou o Chicago Tribune em 2002 para ocupar uma posição na Western Kentucky University, onde compartilhou sua experiência com estudantes em uma das principais escolas de fotojornalismo do país.

Sua carreira de um ano no 10 no Tribune culminou com ela na posição de editora de imagens nacional / estrangeira durante os ataques de setembro de 11, 2001 ao World Trade Center, que mudou para sempre a América. Até então, Adams-Smith já havia publicado um livro de foto-documentário sobre beisebol da liga menor e uma peça multimídia sobre os filhos do divórcio que conquistou o primeiro lugar na Pictures of the Year International.

Desde que chegou à WKU, Adams-Smith publicou mais dois livros de fotografia de documentário social e foi nomeado fotógrafo do ano 2006 pela Associação de fotógrafos de notícias de Kentucky. A universidade nomeou seu livro Survivors: The Children of Divorce, o culminar de seis anos de trabalho, para o Prêmio Pulitzer em não-ficção.

Adams-Smith também ganhou prêmios internacionais por fotografia documentando clínicas de saúde para mulheres nos bairros de Chicago, unidade de queimaduras de crianças da Vanderbilt University, luta de uma família com lesões cerebrais traumáticas e um depoimento fotográfico de sobreviventes de estupro e abuso sexual em Kentucky.

Nos últimos anos, ela viajou duas vezes para Cuba, documentando o cotidiano das pessoas em Havana Velha, um Patrimônio da Humanidade até hoje intocado pelo comércio internacional. Ela também esteve na Irlanda ocidental para documentar fazendas familiares ameaçadas pela agricultura industrial. O trabalho lhe rendeu vários prêmios regionais e nacionais. Ela voltou recentemente da Inglaterra, onde lecionou no Harlaxton College por um semestre e trabalhou em um projeto de agricultura familiar na Europa.

Janet Jarman

Janet Jarman trabalha como fotojornalista e cineasta com sede no México, onde documenta questões como imigração e saúde pública, problemas e soluções de recursos hídricos, tradições vibrantes do México e questões de segurança em andamento na região.

O trabalho de Jarman foi publicado no The New York Times, no GEO, na Smithsonian Magazine, no The Washington Post, no Stern, no Der Spiegel, no 6Mois, no The Wall Street Journal, entre outros. Ela também trabalhou em fundações internacionais como The William e Flora Hewlett Foundation, The Open Society Institute, Fundação Robert Wood Johnson e Ashoka; Inovadores para o público. Suas fotografias foram exibidas no Visa Pour l'Image, Perpignan e receberam prêmios em Imagens do Ano Internacional, Fotografia Americana, Fotografia PDN Anual, POY Latam, Fotografia Latino-Americana, Artes de Comunicação e Melhor do Fotojornalismo.

Ela produziu Imagens do Ano América Latina 2015 (POY Latam), que foi julgada em San Miguel de Allende, no México, e ela julgou o prestigiado concurso internacional de fotojornalismo Imagens do Ano em fevereiro 2016. Ela também recebeu recentemente uma bolsa da MacArthur Foundation para produzir um documentário de longa metragem no México.

Além de trabalhar em trabalhos editoriais para revistas e jornais, Jarman produziu vários projetos fotográficos e multimídia de longo prazo, incluindo Marisol e o Sonho Americano, uma história de duas décadas que narra a vida de uma imigrante mexicana; Águas Negras, que analisa os muitos desafios relacionados à água do México, e Born In Chiapas, sobre as parteiras tradicionais no México.

Jarman começou sua carreira no sul da Flórida depois de se formar na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill. Ela trabalhou como fotógrafa de equipe no The Miami Herald, e mais tarde obteve um mestrado em questões ambientais na Universidade de Londres. Ela é representada pela Redux Pictures.